Sábado, 6 de Maio de 2006

25 de Abril, sempre!!!

O 25 de Abril de 1974 foi uma data que marcou o país, o mundo e a mim especialmente, por ser o ano da minha aparição nesta efémera passagem pelo mundo cognitivo.

 

Muito se tem falado e discutido sobre o valor do 25 de Abril nas novas gerações. Uns defendem que os programas escolares deveriam dar mais enfoque ao assunto, outros que a transmissão de valores de pais para filhos está em deficit e, portanto, quebra-se um elo na cadeia, outros ainda que o papel do governo não é suficientemente preponderante nesta matéria…

 

Acerca desta temática, dei por mim, ao observar a plebe em época pascal, a pensar que todos os que da maneira acima descrita pensam, estão todos errados! O 25 de Abril está vivo e a gozar de plena saúde!

 

Passo a explicar: os actuais pais, médicos, pedreiros, engenheiros, doutores, professores, governantes, etc. são os mesmos que, em plena época de revolução, eram jovens, estudantes e acima de tudo teenagers. Como todos nós sabemos, a liberdade, em muitos instantes desse tempo, foi confundida com libertinagem. E é o que hoje temos. A falta de valores morais, sociais, éticos em detrimento dos financeiros é justificação, mais que suficiente, para se alienar o próximo, todo e qualquer tipo de património (seja ele cultural, arquitectónico, natural, etc.), e passar por cima de tudo e de todos sem olhar nem a quem, nem a meios. O (des)ordenamento da nossa paisagem é bem exemplo disso – não existe o menor respeito pela traça tradicional portuguesa, pelo enquadramento arquitectónico, cada um desenha a casa que quer e como quer. As dunas primárias são sempre alvo de cobiçados olhares, são muitos os exemplos de edifícios que banham os pés na preia-mar. Os bosques de caravalho, sobreiro, azinheira, só para referir alguns exemplos, são chacinados e transformados em plantações de “pau da celulose”, vulgo eucalipto. A agricultura de subsistência há muito que foi abandonada, existindo hoje uma agricultura intensiva, insustentável (a ver vamos quando se acabarem as verbas comunitárias…), e perturbativa para com o meio ambiente.

 

Todos estes exemplos, infelizmente é-nos possível arranjar muitos mais, servem para explicitar a libertinagem com que se começa o dia-a-dia nacional. As gerações mais jovens estão a absorver estes “conhecimentos” e a começar a achar que não existe uma outra forma de fazer as coisas.

 

Assim, parece que o 25 de Abril realmente está entre nós; para o bem ou para o mal…

publicado por saLOMOn às 05:53

link do post | comentar | favorito

.algo mais...

.pesquisar

 

.Novembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.últimos posts

. A bonança

. Verão 2007…

. O ano do dois, double "0"...

. A Engenharia Biofísica na...

. Os valores técnicos, mora...

. NORTE, SUL, ESTE E OESTE…...

. 25 de Abril, sempre!!!

. Olhem, olhem... um blog n...

.arquivos

. Novembro 2007

. Agosto 2007

. Janeiro 2007

. Junho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

.links

.subscrever feeds